Obesidade: para diferentes formas de ganho de peso, diferentes tratamentos

5 de abril de 2021

Qual o melhor tratamento para perda de peso? Infelizmente não existe uma receita que sirva para todos, cada caso é um caso. Uma determinada medicação pode funcionar muito bem em um paciente e em um outro não ser efetiva.

Se por um lado é difícil individualizar o tratamento, por outro é possível estabelecermos alguns padrões de ganho de peso que podem nos orientar a tomar uma melhor conduta do que apenas “chutarmos” qual medicação escolher.

Dessa forma, um estudo publicado nesse mês na revista médica Obesity tentou estabelecer 4 diferentes padrões ou fenótipos para ganho de peso. Cada um recebeu uma diferente linha de tratamento e eles foram comparados com a terapêutica não baseada em qualquer protocolo. Foram assim divididos:

1- Fome Cerebral: indivíduos que fazem grandes refeições, também chamada de hiperfagia. Receberam combinação de Fentermina e Topiramato;
2- Fome gastrointestinal: tem dificuldade de se manter saciados após uma refeição e poucas horas depois precisam comer novamente. Receberam a medicação Liraglutida;
3- Fome emocional ou hedônica: caracterizada por humor negativo e necessidade de se recompensar com alimentos. Receberam combinação de Bupropiona e Naltrexone;
4- Queimadores lentos: pacientes com baixo gasto energético em repouso, reduzido ritmo de atividade física e baixa massa muscular. Receberam Fentermina e intensificaram treino muscular de resistência.

Em comparação ao tratamento não padronizado, a perda de peso foi 75% maior naqueles que seguiram esse protocolo. A perda de peso média no grupo padronizado foi de 16% em 1 ano contra 9% no grupo não padronizado.

Importante destacar que 27% dos pacientes tinham mais de um fenótipo de ganho de peso e 15% não se encaixavam em qualquer um desses, o que mostra que mais estudos e com diferentes combinações de tratamento ainda são necessários.

Além disso, não devemos utilizar esse protocolo como verdade absoluta e sair se automedicando, seria simplista demais pensar dessa forma. Consulte sempre um especialista.

Outros Artigos

Gostou do nosso material ?

Continue acompanhando nossos lançamentos semanais, recebendo avisos diretamente no seu e-mail,
assine nossa newsletter e siga nossas redes sociais para ficar ligado!